Desinfecção Ultravioleta (UV)

Desinfecção Ultravioleta (UV)A contaminação crescente dos mananciais faz cada vez mais necessária a desinfecção de água para controle de microorganismos causadores de enfermidades e outros que possam causar problemas tanto a saúde publica quanto domiciliar e industrial.

A purificação de água porradiação ultravioleta é aprovada por órgãos de saúde pública mundial, podendo ser aplicada em vários campos da atividade humana.

Profissionais do tratamento de água têm usado o sistema UV por mais de 60 anos e a tecnologia esta ainda avançando com novas descobertas e sistemas a cada ano.

Os desinfetantes mais conhecidos usados na prevenção dos microorganismos são o Cloro, o Ozônio, a Irradiação por Ultravioleta (UV), o Iodo, o Permanganato de Potássio, a Prata, o Dióxido de Cloro e o Peróxido de Hidrogênio.

O cloro tem sua ação desinfetante por oxidação celular dos microorganismos.

É aplicado na forma de gás, soluções de hipoclorito, na forma de dióxido de cloro, etc.. Seu uso é questionado porque reagem com a matéria orgânica decomposta na água para formar Trihalometanos (THMs), produtos cancerígenos controlados.

Em sua molécula, os três átomos de hidrogênio podem ser substituídos por halogênios (cloro, flúor, bromo ou iodo).

Entre os THM's cancerígenos formados, tem-se o Clorofórmio (CHCl3), o mais comum, o Dibromo clorometano (CHBr2Cl), o Bromodiclorometano (CHBr2Cl2) e o Bromofórmio (CHBr3).

O Ozônio, outro forte oxidante aplicado na forma de gás é produzido "in situ" por descarga elétrica no ar seco ou oxigênio puro; é um produto corrosivo.

O sistema de esterilização UV tem sido utilizado com segurança em hospitais, clínicas, laboratórios e indústrias alimentícias, farmacêuticas, cosméticas, de laticínios e outras, há mais de cinqüenta anos.

Aparelhos domésticos de UV na Europa e EUA se tornaram populares devido à tendência do uso em piscinas substituindo o cloro formador de cloraminas (THMs).

A radiação UV usada para desinfecção é gerada artificialmente por lâmpadas de vapor de mercúrio.

Quando penetra no corpo dos microorganismos altera seu código genético e impossibilita a reprodução.

A radiação UV é formada por faixas de radiação com características e aplicações práticas específicas.

A UV-A, conhecida como "UV de onda longa" ou "luz negra", representa a maior parte dos raios UV emitidos pelo sol sendo responsável pelo efeito de bronzeamento da pele.

Não é prejudicial e é usada no tratamento médico de certas doenças da pele.

A UV-B, uma parte pequena da radiação UV da luz solar é perigosa, mas a maior parte é absorvida pela camada de ozônio.

A exposição prolongada aos raios UV-B resulta em câncer de pele e cataratas nos olhos. A UV-C ou faixa UV germicida, também conhecida como "UV de onda curta", causa avermelhamento da pele e irritação nos olhos transitória, mas NÃO causa câncer de pele.

O comprimento de onda da radiação UV-C que inativa o DNA/RNA , material genético dos microorganismos, situa-se entre 250 - 270 µm.

A água circulando no reator de esterilização, em contacto com a luz, tem os microorganismos destruídos.

O comprimento de onda da radiação UV-C que inativa o DNA/RNA

O comprimento de onda da radiação UV-C

Bactéria

Bactéria

 

A UVC germicida tem um pico de comprimento de onda de 253.7 nanômetros (1 nanômetro = 1/1,000,000,000,000 de um metro).

Focando-nos numa célula básica de bactéria, interessa-nos a parede da célula, a membrana citoplasmática e o ácido nucléico.

O alvo principal da desinfecção por luz ultravioleta UVC é o material genético, também chamado ácido nucléico.

Os micróbios são destruídos quando a luz penetra a célula e é absorvida pelo ácido nucléico.

Esta absorção provoca um rearranjo da informação genética que interfere com a capacidade de reprodução da célula.

Os microorganismos são inativados pela luz UV resultado de um dano fotoquímico ao ácido nucléico.

A dosagem de UV recomendada varia de acordo com o organismo e legislação em cada país.

Em geral, para águas potáveis e efluentes tratados se usam dosagens de 30 a 100 mW-seg/cm2, respectivamente.

A radiação, que atinge os microorganismos é afetada pela turbidez da água, pela temperatura e pelos depósitos de materiais que se acumulam sobre a lâmpada.

A Amônia, Nitratos e Nitritos, além da DBO, não afetam a radiação e sua penetração na água; o Ferro e ácidos húmicos absorvem a radiação, o pH afeta a solubilidade dos metais e carbonatos e os sólidos em suspensão e podem abrigar os organismos da radiação.

A claridade visual de uma água não é um bom indicador de sua transmissão; uma água clara para luz visível pode absorver a luz ultravioleta.

A melhor forma de medir a transmissão de luz ultravioleta na água é amostrar comum fotômetro que mede a transmissão do comprimento de onda 254 nm.

Grau de turbidez _< 5 NTU

Total de sólidos _< suspensão < 10 ppm

Ácido sulfídrico _< 0,05 ppm

Dureza total _ menor a 120 ppm

Ferro _< 0,3 ppm

Manganês _< 0,05 ppm

ph _ entre 6,5 e 9,5

Limpeza das lâmpadas _ Periódica

Vida útil da lâmpada _ 8 000 horas

No processo de esterilização ocorre a total eliminação de patógenos e é definida como uma redução de contaminantes igual ou superior a 8 logs ou 99,999999 %.

Na desinfecção tem se uma redução na concentração de patógenos para níveis não infecciosos:

1 log 90 %

2 log 99 %

3 log 99,9 %

4 log 99,99 %

5 log 99,999 %

Sistema UV 1C = 220 l/h Sistema UV 2C = 450 l/h Sistema UV 3C = 1.000 l/h
 
 
 
 


Lâmpada UV